Champenoise ou Charmat no Verão?

Charmat ou Champenoise no Verão? Conheça a diferença entre os métodos para escolher seu preferido nessa estação.

É Verão, e o espumante certamente é uma opção mais do que recomendada para a época. Em meio a tanto calor talvez a única dúvida que nos reste na hora de encher a taça é: Charmat ou Champenoise? Os dois métodos de elaboração da bebida têm implicações diferentes na hora da apreciação do espumante e, por isso, vale muito a pena entender melhor a diferença entre os dois para saber qual a melhor escolha à sua preferência.

Ambos os métodos tem em comum uma primeira fermentação do mosto (como é chamado o prensado de uvas) realizada em tonéis. Mas as semelhanças, de certa forma, param por aí.

Método Champenoise

O método tradicional (ou champenoise) foi inventado em Champagne (região do nordeste da França), no século XVII pelos monges cistercienses. Entre eles, o famoso Dom Pérignon ajudou a desenvolver o processo. O vinho base adquirido a partir da primeira fermentação é transferido para garrafas, onde acontece uma segunda fermentação, depois da adição do licor de tiragem, uma mistura de açúcares e leveduras.

Depois da primeira fermentação, realizada em tonéis, as diferenças entre Champanoise e Charmat começam.

Após meses de um mexe e mexe na garrafa (chamado de remuage) e, após ser atingido o teor de gás carbônico mais adequado, as leveduras são retiradas e o licor de expedição (uma mistura de vinho base com açúcar) é adicionado, em diferentes concentrações, gerando um vinho mais seco ou mais doce. Logo depois, a garrafa pode ir diretamente para o comércio ou continuar envelhecendo nas adegas, para ganhar complexidade de sabor.

Método Charmat

O método Charmat foi patenteado pelo francês Eugène Charmat, em 1907, embora alguns italianos digam que foi inventado por Federico Martinotti, em 1895. O objetivo desse método é simplificar e tornar mais curto o tempo de produção, o que reduz significativamente o custo. Tecnicamente, a principal distinção em relação ao outro método é que a segunda fermentação é feita em um tanque de aço inoxidável, chamado de autoclave, sob temperatura controlada. Esta segunda fermentação leva semanas ou mesmo dias, ao invés de meses. O resultado é: um sabor menos complexo, mais leve e cítrico, o que não significa má qualidade. Há excelentes espumantes produzidos por este método. E o melhor de excelente custoxbenefício.

 

Comentários
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Quem Sou

Sou jornalista especialista em vinhos e em comunicação digital. Sou sommelier Fisar e diretora da Associação Brasileira de Sommeliers do DF. Possuo qualificação Nível 3 (Wine Spirit Education Trust) e o Intermediário do ISG. Também tenho certificado em vinhos franceses (FWS) e vinhos californianos (CWAS).

Categorias

Veja Também

Atrações WOW para férias em julho

Se você está planejando suas férias em Portugal neste mês de julho, uma visita ao…

Enólogo da Argento Apresenta Vinhos no Brasil

Nesta semana, o renomado enólogo argentino Juan Pablo Murgia, responsável pelos vinhos da Bodega Argento,…

Linha Carmen Reserva Frida Kahlo

Magdalena Carmen Frida Kahlo Calderón, nascida em 6 de julho de 1907, em Coyoacán, México,…

ORO, as adegas que conquistaram os brasilienses

Ter uma boa adega em um restaurante é indispensável. Não dá para caprichar na cozinha…