Influências do barril para o vinho

barris de madeira 

O barril de madeira elaborado na história servia apenas como substituto ao vaso de cerâmica, que por sua vez era utilizado para comportar e transportar vinhos na antiguidade. No entanto, com o passar dos anos, percebeu-se que a madeira poderia ser utilizada não somente para armazenar, mas também para agregar riqueza, qualidade e valor aos vinhos.

As barricas de carvalho tem um papel de extrema importância para a formação do sabor dos vinhos. A madeira que envolve a bebida influencia muito na sua qualidade e maturação. A passagem pelas barricas faz com que o vinho adquira aromas e sabores próprios da madeira, que podem ser acentuados ou não, dependendo do processo de tosta implicado a cada barrica.

os barris devem ser utilizados apenas como uma ferramenta para adicionar complexidade ao vinho e não como uma característica predominante. Outros fatores que também colaboram para o aumento dessa complexidade são o tempo de contato e as características da própria madeira.

Barril de carvalho

Funções das Barricas

As superfícies das barricas são aquecidas antes de receberem o vinho. Conforme a intensidade da tosta, diferentes aromas são atribuídos à bebida, desde os mais suaves, como a baunilha, até os mais intensos, como o café.

O carvalho também promove o afinamento dos taninos do vinho e auxilia na sua estabilização, amadurecimento e desenvolvimento. Isso ocorre graças à capacidade das barricas de permitir que o vinho “respire” por meio dos microporos da madeira, possibilitando a chamada micro-oxigenação.

Neste processo, o oxigênio entra em contato de forma gradual com os taninos mais pesados e rústicos do vinho, provocando uma precipitação dos mesmos no fundo das barricas. Logo, na hora do engarrafamento, apenas os taninos mais finos estarão presentes, garantindo ao vinho características mais arredondadas e aveludadas.​

Os barris corretos complementam a qualidade do vinho

Por que carvalho e não outra madeira?

A evolução da produção de vinhos, contou com diferentes tipos de madeiras que foram testados na fabricação das barricas e pipas, como cerejeira, acácia, faia, castanheira e diversas outras. Porém, o carvalho se provou o maior agregador de benefícios e aromas adequados aos vinhos. A preferência se deve a características como maior resistência, leveza, impermeabilidade, maleabilidade, afinidade de sabor e capacidade de agregar maior complexidade às bebidas.

Observa-se que a particularidade final de um vinho deve-se tanto pelo uso correto da madeira quanto pela qualidade das uvas. Os tipos de madeira e a forma como os barris são fabricados difrem muito de região para região e de país para país, o que acaba proporcionando para cada vinho autenticidade conforme sua origem.

Ainda vale notar que existem muitos vinhos que não são maturados em algum tipo de madeira, mas praticamente todos os tintos têm algum tipo de contato com barricas. Vinhos brancos, de sobremesa, fortificados e até mesmo espumantes também podem passar por maturação em recipientes de madeira.

A madeira do barril influencia muito na qualidade do vinho

Quais as influências da qualidade dos barris para os vinhos?

Outros fatores influenciam na qualidade do vinho além do tipo de carvalho utilizado no armazenamento. A primeira delas é a granulação da madeira, já que a porosidade interfere no nível de absorção da bebida. As madeiras menos porosas são as mais procuradas, pois sua influência na bebida é mais fina e discreta.

Um ponto bem importante também é a idade e crescimento da árvore. Quanto mais velho e mais lento tiver sido o crescimento do carvalho, maior será a qualidade da sua influência sobre o vinho. Depois de partida ou serrada, a madeira deve passar por um processo de secagem durante dois ou três anos. Esse processo tira a umidade do tronco e permite modificações químicas nos componentes que causam amargor e acidez ao vinho.

A montagem e tosta das barricas também são etapas que interferem na maturação do vinho. Os barris não levam pregos e as ripas são apenas encaixadas uma na outra. Para a montagem do barril, as madeiras são aquecidas no vapor, fogo ou água fervente até que fiquem maleáveis. Em seguida as barricas são submetidas à tosta, que geralmente são mantidas em nível médio. Quanto mais alto o nível da tosta, mais aromas torrados (como caramelo e café, por exemplo) serão incorporados no vinho.

A particularidade final de um vinho deve-se tanto pelo uso correto da madeira quanto pela qualidade das uvas

Um trabalho de maturação feito com um bom barril pode ser a chave para uma bebida saborosa e interessante. Além de acrescentar riqueza e qualidade à bebida, a madeira é responsável pelos aromas e sabores que tornam um vinho único.

Conhecendo toda a influência das barricas e sabendo sobre o envelhecimento e propriedades dos vinhos, agora é só notar essas características na sua próxima degustação.

Leia: Brasil se destaca no “The International Wine and Spirit Competition”

Comentários
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Quem Sou

Sou jornalista especialista em vinhos e em comunicação digital. Sou sommelier Fisar e diretora da Associação Brasileira de Sommeliers do DF. Possuo qualificação Nível 3 (Wine Spirit Education Trust) e o Intermediário do ISG. Também tenho certificado em vinhos franceses (FWS) e vinhos californianos (CWAS).

Categorias

Veja Também

Vem ai o II Wine Jazz Piri

O 2º Wine Jazz Piri está chegando com a proposta de apresentar o Terroir do…

Masterclass marca comemoração do dia de Portugal

Uma Masterclass com excelentes rótulos portugueses marcou a primeira parte das comemoraçoes do dia de…

Evento com presença de Luis Pato em Brasília

Quem esteve em Brasília foi o renomado produtor da Bairrada, Luis Pato. O evento, promovido…

ProWine São Paulo 2024 será palco do lançamento mundial

O evento ProWine São Paulo, a maior e principal feira de vinhos e destilados das…