Vinhos vintage vão a leilão na Christie’s

Maison Perrier- Jouët

Em uma venda da Christie’s em Londres, no dia 26 de março de 1888, alguém chamado ‘P. Gordon’ resolveu pagar a quantia de 25 libras por sete magnums de Perrier-Jouët 1874, assim, estabelecendo um recorde mundial de leilão para um lote de Champagne que se permaneceria notavelmente até o ano de 1967. 

A mesma safra retornou à Christie’s, em Londres durante a venda de vinhos e destilados da casa de leilões nos dias 2 e 3 de dezembro, integrando uma seleção de cuvés vintage lançadas pela Perrier-Jouët como parte da estratégia global da Maison.  Os lotes abrangem safras de seis décadas diferentes, incluindo diferentes anos de Belle Epoque, muitos em formato magnum, entre eles a famosa “trilogie” de 1988-1989-1990, bem como duas safras raramente vistas do Blason de France, há muito descontinuado. Existem safras pós 2000 de Belle Epoque Rosé e Blanc de Blancs, e uma safra PJ de 1964, ano de criação da Belle Epoque. Muitos dos lotes estão relacionados ao que a Maison Perrier-Jouët chama de “experiências de prestígio sob medida ” em sua maison em Epernay. No entanto, a única garrafa de 1874 conquistou a maioria das manchetes de pré-venda. 

Além da ligação histórica com a Christie’s, a chef de cave da Perrier-Jouët,  mestre Séverine Frerson diz que há “muita emoção” ligada ao vinho que era uma safra festejada na época, e foi uma das favoritas de Oscar Wilde, ela conta. O blend foi criado por Charles Perrier, filho dos fundadores Pierre-Nicolas Perrier e Rose Adelaide Jouët. “Nossas expectativas são altas”, disse Tim Triptree MW, diretor internacional da Christie’s Wine & Spirits, sobre a próxima venda. “Com leilões nunca se sabe como as coisas vão correr, mas com a raridade dos champanhes e o prestígio da casa, estamos muito otimistas.”

Caves

A existência e exclusividade da venda diz muito sobre a importância crescente do champanhe no mercado secundário de vinhos finos – ilustrado ainda pelas notícias na semana passada de que os preços do champanhe subiram 30% no ano passado, superando todos os outros índices regionais.“Parece haver um enorme interesse crescente em Champagne, especialmente para as boas e grandes marcas, e as melhores safras”, diz Triptree. “Certamente estamos vendo mais champanhes à venda e, quando chegam, vendem muito bem. Champagne não é mais apenas para celebrações, mas é um bom e sério vinho – essa mensagem é muito clara para os colecionadores de vinhos finos.

A venda marca a primeira vez que a Perrier-Jouët abre sua Oenothèque, onde os vinhos históricos, que datam de 1825, povoam sua adega Eden, sob a supervisão de Frerson, que assumiu como maitre de cave, que substitui Hervé Deschamps, há um ano. Como Deschamps antes dela, Frerson está focada em manter o estilo característico de energia e finesse impulsionada pela cepa Chardonnay, mas ao mesmo tempo não é avessa a mudanças. “Meu primeiro trabalho é continuar com o mesmo estilo”, diz ela. “Mas eu adapto o blend com minha própria personalidade.”

Portanto, embora a Belle Epoque Blanc de Blancs tradicionalmente tenha se originado dos terrenos históricos de Bourons-Leroy e Bourons du Midi em Cramant, que foram adquiridos por Charles Perrier no século 19 – isso não será necessariamente o caso no futuro. Em parte, por razões práticas – Bourons du Midi está sendo replantado atualmente – mas Frerson acrescenta: “A filosofia é expressar a quintessência de Chardonnay, mas não necessariamente exclusivamente sobre o enredo original. Até agora foi 100% Cramant, mas nós temos acesso aos vinhedos em Avize, Chouilly, além de um pequeno lote em Le Mesnil-sur-Oger. ” Quaisquer que sejam as mudanças, os solos de pura argila de Cremant e o sul dos lotes dos Bourons continuarão sendo uma característica chave do vinho no futuro.

Severine Frerson, chef de Cave e Hervé Deschamps seu antecessor

Para a safra de 2012 da Belle Epoque Blanc de Blancs, que está marcada para lançamento iminente, Frerson usou 100% Chardonnay do Le Mesnil. “É para obter o maior potencial de expressão do vinho – a expressão da quintessência do Chardonnay”, explica ela. “É o último toque.” Se a expressão do Blanc de Blancs historicamente girou em torno de Cramant, o pensamento é muito diferente com a cuvée central da Belle Epoque. 

Historicamente, o blend era 50/50 Chardonnay / Pinot Noir, mas a partir de 2000, Deschamps introduziu 5% de Meunier de Dizy no Vallée de la Marne. “Hervé queria aumentar os aromas frutados e a maciez”, diz Frerson. “É uma característica muito especial em torno das frutas do pomar.” E Frerson está aberta a novas evoluções no futuro. “Para mim, depende do ano”, diz ela. Nosso trabalho é dar o melhor do vinho e o melhor do ano, para que a porcentagem do blend possa ser alterada ”.

Qualquer que seja a evolução futura dos champanhes da Perrier-Jouët, muita coisa já mudou desde o leilão da Christie’s em 1888. Os £ 25 de P Gordon, que lhe garantiram sete magnum da safra de 1874, equivalem a cerca de £ 3.500 em dinheiro hoje, mas empalidecem em insignificância em comparação com os £ 10.000-15.000 que a única garrafa de 1874 deve render na próxima semana. E também diz muito sobre a mudança de status do champanhe entre colecionadores e investidores de vinhos finos.

Leia: Influências do barril para o vinho

Comentários
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Quem Sou

Sou jornalista especialista em vinhos e em comunicação digital. Sou sommelier Fisar e diretora da Associação Brasileira de Sommeliers do DF. Possuo qualificação Nível 3 (Wine Spirit Education Trust) e o Intermediário do ISG. Também tenho certificado em vinhos franceses (FWS) e vinhos californianos (CWAS).

Categorias

Veja Também

Vem ai o II Wine Jazz Piri

O 2º Wine Jazz Piri está chegando com a proposta de apresentar o Terroir do…

Masterclass marca comemoração do dia de Portugal

Uma Masterclass com excelentes rótulos portugueses marcou a primeira parte das comemoraçoes do dia de…

Evento com presença de Luis Pato em Brasília

Quem esteve em Brasília foi o renomado produtor da Bairrada, Luis Pato. O evento, promovido…

ProWine São Paulo 2024 será palco do lançamento mundial

O evento ProWine São Paulo, a maior e principal feira de vinhos e destilados das…