Napa Valley: excelência e elegância nos vinhos da Duckhorn

Por ser super conceituada em todo os Estados Unidos pela produção dos seus vinhos Merlot, aproveitei o passeio ao Napa Valley para visitar e conhecer melhor a Duckhorn. A vinícola tem quase 40 anos e, ao longo de sua existência, devido ao apreço dos seus donos – Dan e Margareth Duckhorn – pela uva Merlot, acabaram focando a tradição da empresa na produção de vinhos varietais ao estilo BordeauxPomerol e Saint Emilion).

IMG_8171
Duckhorn: reconhecida nos Estados Estados principalmente pela qualidade dos Merlots que produz.

Bem, ao chegar na vinícola me surpreendi com tudo. Pra começar, o local é lindo e aconchegante. Está situado em Santa Helena (1000, Lodi Lane),  onde também estão alguns de seus vinhedos (há outros localizados em seis microclimas diferentes do Napa).

IMG_0752
O estacionamento fica ao lado dos vinhedos onde se pode passear e tirar fotografias.
IMG_8207
Alguns vinhedos da Duckhorn estão em Santa Helena (foto). No entanto, há outros localizados em seis outros microclimas diferentes do Napa Valley.

A casa da propriedade é bem bonita e em sua aconchegante varanda são realizadas as degustações. O local é rodeado por um charmoso jardim. Sinceramente, é tudo muito especial.

IMG_8177
As degustações da Duckhorn são realizadas na varanda da casa: local muito aconchegante
IMG_8185
Vista do charmoso jardim que cerca a casa da vinícola Duckhorn

Degustação –  Eu já havia experimentado alguns dos rótulos da Duckhorn durante o evento American Wine Show promovido em São Paulo pela importadora Smart Buy Wines (relembre aqui), mas durante essa degustação na sede da Duckhorn no Napa – com muuuuita calma e inspirada pela belíssima paisagem – confesso que meus sentidos ficaram muito mais apurados…

IMG_8176

…e vou confessar uma coisa: degustei um Sauvignon Blanc, dois Merlots, dois Cabernet Sauvignon e um blend e foi muito, mas muito difícil mesmo, eleger o melhor vinho. Realmente, o nível de qualidade e excelência de todos foi algo que me chamou a atenção. Se eu tivesse que definir esses vinhos em uma única palavra eu escolheria: “elegância” para caracterizá-los de forma genérica.

IMG_8182

Veja o que degustei e minhas breves notas:

Sauvignon Blanc 2013 – Esse vinho, mesmo rotulado como varietal, possui 16% Sémillon e, consequentemente, ganhou mais complexidade e textura. Muito elegante, fresco e com aromas de melão, maracujá e lima. Ótima acidez.

IMG_07331

Merlot 2011 Stout Vineyard – As uvas desse vinho provêm de uma das regiões (Howell Mountain) mais conceituadas do Napa para vinhos ultra-premium. Esse particularmente tem 78% Merlot e 22% Cabernet Sauvignon. É um vinho complexo, com final de boca bem prolongado. Frutas vermelhas e notas minerais acentuadas.

Merlot 2011 Atlas Peak – As uvas desse Merlot são cultivadas em Atlas Peak onde a temperatura pode ser 10 graus mais fria do que no sopé do vale, necessitando de mais tempo para amadurecer. Esse vinho particularmente é fantástico. Groselha, ameixa, além de leves toques minerais e de especiarias. Um vinho dos EUA com notório estilo Velho Mundo.

IMG_8181

Cabernet Sauvignon Patzimaro Vineyard 2011 – Gostei muito desse exemplar, particularmente. Ele vem de um local com altas temperaturas diurnas que ajudam a amadurecer as uvas e com noites bem frias que permitem reter  a acidez natural da uva necessária para vinhos equilibrados, elegantemente estruturados. É um misto de frutas vermelhas e negras com toques terrosos (divino!!!). Taninos bem integrados e final prolongado.

IMG_07311

Cabernet Sauvignon 2011 Howell Mountain – Assim como o Merlot, esse Cabernet de Howell Mountain também é excelente. Esse é realmente feito pra guarda por sua complexidade. Misto de frutas negras e até um toque amentolado, além de pimenta negra. Taninos firmes, mas bem integrados.

FullSizeRender (36)

The Discussion 2010 Blend – Esse merece um destaque especial. Digamos que foi “o melhor dentre os melhores” (decisão difícil). Aqui cada garrafa dele sai por US$135 e vale cada dólar investido. Muito complexo mesmo: grafite, violeta, mirtillo, ameixa, pimenta. Possui também taninos bem macios e toques minerais . Estagiou 26 meses em barrica de carvalho francês o que conferiu mais elegância ao exemplar. Resumo: nada sobrou e nada faltou nesse vinho que é feito do blend dos melhores vinhos da vinícola: 85%Cabernet Sauvignon, 5% Merlot, 5% Cabernet Franc e 5% Petit Verdot.

IMG_0735

Curiosidade Importante –  Em três dos seis rótulos degustados apareceu no rótulo o termo Estate Grown. Para quem não sabe, esse é um termo de extrema importância e regulado aqui nos Estados Unidos por legislação específica. Na verdade ele significa que o vinho respectivo foi produzido a partir de uvas de vinhas de propriedade de quem o engarrafou.  Significa, portanto, que a vinícola possui o controle de todo o processo de produção de vinho, desde o cultivo das uvas até o engarrafamento da bebida. Por aqui não é muito comum encontrar esse termo estampado em muitos rótulos, pois a grande maioria das vinícolas precisa comprar uvas para suprir sua produção ou para produzir vinhos de vários terroirs distintos.


 

 

 

Comentários
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Quem Sou

Sou jornalista especialista em vinhos e em comunicação digital. Sou sommelier Fisar e diretora da Associação Brasileira de Sommeliers do DF. Possuo qualificação Nível 3 (Wine Spirit Education Trust) e o Intermediário do ISG. Também tenho certificado em vinhos franceses (FWS) e vinhos californianos (CWAS).

Categorias

Veja Também

Atrações WOW para férias em julho

Se você está planejando suas férias em Portugal neste mês de julho, uma visita ao…

Enólogo da Argento Apresenta Vinhos no Brasil

Nesta semana, o renomado enólogo argentino Juan Pablo Murgia, responsável pelos vinhos da Bodega Argento,…

Linha Carmen Reserva Frida Kahlo

Magdalena Carmen Frida Kahlo Calderón, nascida em 6 de julho de 1907, em Coyoacán, México,…

ORO, as adegas que conquistaram os brasilienses

Ter uma boa adega em um restaurante é indispensável. Não dá para caprichar na cozinha…