Novas pesquisas sobre benefícios do vinho tinto para a saúde

Essa semana foi publicado no jornal O Globo e na CNN, um estudo que destaca o consumo do vinho tinto como remodelação de bactérias boas da flora intestinal.

Um novo estudo conduzido por um time internacional de pesquisadores comprovou que uma taça ao dia da bebida, mais especificamente da uva Merlot, traz melhorias para a microbiota intestinal – população de bactérias boas que vive no órgão – e, consequentemente, para o coração.

O trabalho, publicado na revista científica The American Journal of Clinical Nutrition, contou com cientistas brasileiros e foi apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp).

Método Cross Over

Para chegar à conclusão, o ensaio clínico envolveu 42 pacientes de em média 60 anos com doença arterial coronariana (DAC), condição que causa a obstrução dos vasos sanguíneos que irrigam o coração. Os participantes passaram por uma estratégia conhecida como cross over, quando duas intervenções são intercaladas para, depois, seus resultados serem comparados.

Com isso, todos os pacientes beberam, durante três semanas, uma taça de 250ml de vinho tinto ao dia. A bebida foi produzida com uva Merlot pelo Instituto Brasileiro do Vinho especialmente para o estudo, e tinha 12,75% de concentração alcóolica. Depois, os voluntários permaneceram pelo mesmo período, 21 dias, em abstinência de álcool.

Método Washout

Tanto antes do período com a bebida, como do sem álcool, houve um intervalo de duas semanas o washout: uma interrupção no consumo de determinadas substâncias para que elas não influenciem os resultados. Nesses 14 dias, além de bebidas alcóolicas, foram proibidos alimentos fermentados, prebióticos, probióticos, fibras e derivados do leite.

Os pesquisadores observaram que a microbiota intestinal sofreu remodelação significativa após o período de consumo da bebida. Tais microrganismos são peças fundamentais na homeostase humana, ou seja, no funcionamento normal do organismo.

Também foram observadas mudanças em processos metabólicos evitando o chamado “estresse oxidativo”, que induz doenças como a aterosclerose. Com esses resultados, os pesquisadores concluíram que a modulação da microbiota intestinal pode contribuir para os benefícios cardiovasculares do consumo moderado de vinho tinto.

Lembrando que falamos de 250 ml por dia hein?

Comentários
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Quem Sou

Sou jornalista especialista em vinhos e em comunicação digital. Sou sommelier Fisar e diretora da Associação Brasileira de Sommeliers do DF. Possuo qualificação Nível 3 (Wine Spirit Education Trust) e o Intermediário do ISG. Também tenho certificado em vinhos franceses (FWS) e vinhos californianos (CWAS).

Categorias

Veja Também

Vik Chile vence prêmio ‘South America’s Leading Wine Region Hotel’ pelo segundo ano consecutivo

O Vik Chile foi premiado pelo segundo ano consecutivo com o renomado prêmio “South America’s…

Casa Chandon Garibaldi: O Refúgio dos Amantes de Espumantes

Localizada na pitoresca cidade de Garibaldi, na Serra Gaúcha, a Casa Chandon é muito mais…

Em Brasília, Cooperativa Vinícola Garibaldi leva novidades à Expovitis

Brasília se prepara para receber um dos eventos mais aguardados pelos entusiastas e profissionais da…

Prêmio Queijo Brasil

Em uma noite memorável em Blumenau (SC), ocorreu a entrega do Prêmio Queijo Brasil, um…