Vinhos italianos Le Tenute del Leone Alato – Tradição, Terroir e Uvas Autóctones 

Alguns dos vinhos da Le Tenute del Leone Alato trazidos para o Brasil

Aproveitando a passagem da Gerente de Exportação Serena Bonaventura pelo Brasil, a Le Tenute del Leone Alato promoveu um almoço harmonizado no restaurante Trattoria da Rosario em Brasília para um seleto grupo de jornalistas. A ideia do evento foi apresentar a empresa, que conta com 780 hectares de vinhedos e  engloba em seu portfólio cinco vinícolas de reconhecidas regiões produtoras de uva e vinho na Itália, entre elas o Piemonte, o Vêneto, Friulli Venezia Giullia e a Toscana.

Eu e Cynthia Malacarne (à esq.) em almoço com a simpãtica
Etiene Carvalho (centro) e Cynthia Malacarne do Jornal de Brasília (à esq.) com a simpática Gerente de Exportação da empresa Serena Bonaventura

Durante o almoço foram degustados cinco vinhos (dois brancos e três tintos) das vinícolas Costa Arènte,  Bricco Dei Guazzi e a Tenuta Sant’Anna, que integram o grupo. Os vinhos são importados com exclusividade pela All Wine e vendidos em Brasília pela Más Vino (306 Sul). Muitos deles são novidade aqui no Brasil.

Equipe All Wine e Más Vino durante almoço de apresentação da Le Tenute del Leone Alato em Brasília

Marca –Tradição, terroir e uvas autóctones são os grandes diferenciais dos bons vinhos italianos e foram essas marcas deixadas pelos vinhos degustados no almoço. Harmonizados com os pratos do prestigiado chef napolitano Rosario Tessier ficaram ainda mais saborosos.

Sommelier Tiago Pereira, Serena Boaventura, Etiene Carvalho e o chef Rosário Tessier

Confira os rótulos degustados, algumas notas técnicas e minhas impressões.

Tenuta Sant´Anna Venezia Pinot Grigio D.O.C

Vinho elaborado 100% com a Pinot Grigio na região do Vêneto, onde a casta encontrou um terroir adequado às suas peculiaridades. O resultado é um vinho com muito frescor, acidez e versatilidade. Notas de maçã verde, limão e pêra e um bom final de boca. Preço R$149

Lugana Costa Arante D.O.C 2021

Elaborado 100% com a Trebbiano proveniente de vinhedos das ensolaradas margens do Lago de Garda. O vinho tem nuances frutadas, é fresco, suculento e tem um bom corpo. É uma mistura de frutas de caroço com flores e tem um leve salgado no retrogosto. Estagia seis meses em borras finas nos tanques de aço. R$239.

Barbera D´Asti Bricco dei Guazzi

Excelente vinho produzido com Barbera na região do Piemonte. Estagia 18 meses em barrica e seis meses na garrafa. Tem boa complexidade tanto no nariz como na boca mostrando notas de ameixa, amora e mirtilo e toques florais. Impressiona pela boa acidez. R$259.

Ripasso Valpolicella Ripasso Costa Arente D.O.C 2018

A repassagem do vinho Valpolicella nas cascas das uvas utilizadas na produção do Amarone e do Recioto para obter aromas e sabores mais complexos deram origem ao Ripasso. Esse da Costa Arente contém Corvina, Corvinone e Rondinella e amadurece 18 meses em barricas e seis em garrafa. No nariz tem um aroma intenso que lembra geleia de framboesa e cereja. Vinho indicado para harmonizar com pratos de sabor forte. R$469.

Tenuta Sant´Anna Amarone Della Valpolicella DOCG 2017

Vinho com excelente potencial de guarda – cerca de 15 anos. É elaborado com as uvas Corvina, Corvinona e Rondinella – todas secas por três meses em sala própria de secagem chegando a perder 40% do peso – Tem aromas intensos no nariz com muitas frutas negras como mirtilo, amora, figo e uva passas. Na boca é bem encorpado, envolvente e elegante ao mesmo tempo. Mostrando excelente equilíbrio entre açúcar, álcool e acidez. R$522.

Meus preferidos – Amei a crocância e a persitência do Pinot Grigio Tenuta Sant´Anna e também o seu ótimo custoxbenefício, a vivacidade e a acidez do Barbera D´Asti Bricco dei Guazzi e a elegância do Amarone Tenuta Sant´Anna.

Sobre a Le Tenute Del Leone Alato – Empresa de vinhos que reúne cinco vinícolas italianas (Costa Arènte, Bricco Dei Guazzi, Tenuta Sant’Anna, Torre Rosazza e V8+) enraizadas em algumas das regiões italianas mais adequadas para a produção de uvas e vinhos. 47 castas autóctones e internacionais plantadas em 780 hectares de vinha originam 65 vinhos, dos quais 56 são de Denominação de Origem Protegida.

Leia também – Entrevista com a enóloga portuguesa Filipa Pato

Comentários
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Quem Sou

Sou jornalista especialista em vinhos e em comunicação digital. Sou sommelier Fisar e diretora da Associação Brasileira de Sommeliers do DF. Possuo qualificação Nível 3 (Wine Spirit Education Trust) e o Intermediário do ISG. Também tenho certificado em vinhos franceses (FWS) e vinhos californianos (CWAS).

Categorias

Veja Também

Palomina Bar: Novo Wine Bar em Brasília

Brasília, o terceiro maior polo gastronômico do Brasil, ganha um novo wine bar: o Palomina…

Directo del Viñedo Vendimia no Uruguai

Após ser realizado no Brasil e no Chile, o Directo del Viñedo Vendimia chega ao…

Júri Internacional Avalia 12º Brazil Wine Challenge

O 12º Brazil Wine Challenge, que ocorrerá de 16 a 19 de julho em Bento…

Dia do Vinho Ticiana Werner

Depois de conquistar o público brasiliense com bons vinhos, alta gastronomia e sofisticação, o Dia…