Espumantes e suas ocasiões além das festas

Apesar de ser uma bebida que possui uma forte ligação com festas e eventos, os espumantes combinam perfeitamente com outras ocasiões mais descontraídas, e tem sido visto com cada vez mais frequência em diferentes locais.

Já é tradição em qualquer comemoração o momento de brindar com um espumante para celebrar uma conquista, uma vitória ou a realização de um sonho. Mas a história dessa bebida onipresente em qualquer festa e evento começou há muitos anos, na França, no século XVII, na região de Champagne. A região já produzia vinhos tranquilos. Nesse período, os vinhos eram comercializados em tonéis, e por conta disso, tinham uma tendência efervescente, o que dificultava na hora de transportar para lugares mais distantes e na conservação. Sendo assim, em 1680, com a criação das garrafas pelos ingleses, ficou mais fácil comercializar o vinho.

Porém, os vinhos da Champagne passavam por uma segunda fermentação na garrafa, pressurizando e fazendo com que as rolhas fossem arremessadas para bem longe, além de explodir as garrafas. O monge benedito Don Pérignon era quem cuidava dos vinhos, e teve uma ideia para solucionar o problema: reforçar as garrafas. Dizem que quando ele abriu uma garrafa arrolhada ele ficou tão impressionado com a espuma da bebida que disse que estava bebendo estrelas. “No começo o espumante era uma bebida muito doce, que desagradava até alguns ingleses, os principais consumidores na época, então ocorreram algumas mudanças na produção e a criação da denominação brut, além de uma alteração na temperatura de armazenamento”, explica Ricardo Henriques, enólogo da Rio Sol.

O método de produção de espumante ficou conhecido como Champenoise, e ficou famoso no mundo inteiro. No século XIX, a bebida ganhou o status que ela possui até hoje e se tornou um símbolo de elegância. “A diferença entre o champagne e o espumante é apenas o local de produção, já que o champagne é produzido apenas na região de Champagne, na França”, pontua Henriques. No Brasil, a produção de espumantes começou em 1913, no Rio Grande do Sul. Apesar de ser uma bebida que possui uma forte ligação com festas e eventos, o espumante combina perfeitamente com outras ocasiões mais descontraídas, e tem sido visto com cada vez mais frequência em diferentes locais.

Por conta da acidez na medida certa presente na bebida, o espumante acaba sendo uma bebida versátil que pode ser consumido tanto com um acompanhamento ou solo, e combina com pratos leves ou até aqueles mais produzidos. “Como ele tem um teor alcoólico moderado, é leve no paladar, tem um perfil frutado e é servido gelado, é uma bebida apreciada por consumidores de diferentes idades e gostos por ser de fácil aceitação”, ressalta Henriques. O espumante brut é o coringa se a ideia é uma bebida para harmonizar com diferentes pratos. Já o demi-sec combina com aperitivos, enquanto que o espumante doce harmoniza com frutas e chocolates.

Apesar de também ser uma bebida que está sempre relacionada com o verão por ser servida em temperaturas baixas, o espumante também pode ser apreciado nos dias mais frios. Nesse caso, o ideal é optar por espumantes mais encorpados. E para quem não abre mão de saborear a bebida extremamente gelada no verão, uma técnica que pode parecer improvável para alguns pode ajudar a manter a bebida fria, que é colocar gelo na taça do espumante. “Essa técnica se tornou tendência no verão na Europa, porém, para colocar gelo na taça do espumante, é necessário que seja um vinho com sabor mais intenso, para evitar que ele fique muito aguado”, diz Henriques.

A taça mais indicada para apreciar um espumante e que conserva as bolhas presentes na bebida é a taça tipo flauta, que é mais alongada e com a boca estreita. A haste da taça deve ter um comprimento que seja possível segurar o copo através dela para evitar que a bebida esquente. E a tradição de sacudir o espumante antes de abri-lo não é indicada, já que isso pode prejudicar o sabor da bebida, além de perder parte do líquido que está na garrafa. “Seja na praia com os amigos ou então sozinho em casa assistindo um filme, o fato é que o consumo de espumante não deve ser apenas em grandes comemorações, pois é uma bebida que pode ser apreciada de diferentes formas e combina com diversas ocasiões”, finaliza Henriques.

Sobre a Rio Sol

A Rio Sol está localizada no Vale do São Francisco, na cidade de Lagoa Grande, em Pernambuco. A vinícola produz vinhos e espumantes, cujos rótulos vêm, cada vez mais, conquistando prêmios nacionais e internacionais.

A empresa pertence a Global Wines, com sede na região do Dão, em Portugal, produtora de vinhos reconhecida no mercado mundial pelo dinamismo e inovação, com grande diversidade de rótulos premiados entre os melhores da Europa.

Saiba mais através do site www.riosol.com.br

Comentários
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Quem Sou

Sou jornalista especialista em vinhos e em comunicação digital. Sou sommelier Fisar e diretora da Associação Brasileira de Sommeliers do DF. Possuo qualificação Nível 3 (Wine Spirit Education Trust) e o Intermediário do ISG. Também tenho certificado em vinhos franceses (FWS) e vinhos californianos (CWAS).

Categorias

Veja Também

João Roquette da Qualimpor é personalidade do Ano no Brasil

O dirigente da Qualimpor, João Roquette, português de origem, foi recentemente laureado com o título…

Participe do Festival de sakês no Noru Sushi

Se você é um entusiasta da culinária japonesa ou está à procura de aventuras culinárias…

Sugestões WM Vinhos para a sua adega. Confira!

E quem não adora ter uma garrafa de vinho à mão em casa, certo? Melhor…

Curso de Produção de Vinho da Embrapa – Inscrições abertas

As inscrições para o renomado curso de produção de sucos e vinhos oferecido pela Embrapa…