Excelentes vinhos da América do Sul: Pizzorno Primo 2011 e Família Schroeder Cabernet Sauvignon 2005

Que a Argentina e o Uruguai produzem bons vinhos, todo o mundo já sabe. Mas, às vezes, a gente se surpreende com alguns rótulos que não deixam nada a desejar para os mais renomados da Espanha, Portugal, Itália ou França, por exemplo. É o caso de dois vinhos que tive a oportunidade de degustar recentemente: o Família Schroeder Cabernet Sauvignon 2005, um argentino da Patagônia, e o corte uruguaio Pizzorno Primo 2011. Bem diferentes em estilo, mas muito parecidos em qualidade.

Familia Schroeder Cabernet Sauvignon 2005

Vinhaço extremamente elegante feito na Patagônia. Moderadamente tânico e com acidez média, este vinho amadureceu 24 meses em barricas de carvalho francês e envelheceu 12 meses em garrafa antes de ser comercializado. É um vinho com bom corpo, sem dúvidas, porém delicado e com taninos macios. Tanto em boca como no nariz apresentou notas de frutas negras frescas; trouxe também um final de boca persistente sem aquele dulçor típico (às vezes exagerado) de muitos vinhos argentinos produzidos em Mendoza. Foi o vinho escolhido para iniciar a noite com os amigos. Aproximadamente R$305,00 na Enoteca Decanter.

Pizzorno Primo (corte de Tannat, Cabernet Sauvignon e Merlot)

Um vinho uruguaio pra lá de especial, que para mostrar todo o potencial merecia ter respirado no decanter pelo menos quarenta minutos  antes de ser degustado. Mas, como não deu tempo, respirou na taça mesmo (rsrsrs). É elaborado a partir das melhores parcelas de Tannat, Cabernet Sauvignon e Merlot da Vinícola. Foi o vinho escolhido para acompanhar o prato principal da noite, no caso um bife de chorizo, farofa de ovos, brócolis e aspargos ao alho. A harmonização foi perfeita! A robustez do vinho acompanhou perfeitamente o prato. O Pizzorno Primo mostrou-se muito complexo, e, ao mesmo tempo, equilibrado, com destaque para a interação entre a fruta vermelha madura e a madeira. Os taninos muito presentes, porém redondos, e o final de boca muito persistente chamaram minha atenção. Excelente!

Vinho, restaurante e amigos

Os vinhos estavam maravilhosos, mas a companhia dos amigos, Márcia e Moacir Mustefaga, grande entendedor de vinho, também foi fundamental. Além disso, vale destaque o local que escolhemos para jantar e apreciar os belos vinhos: o restaurante El Negro da QI 17 do Lago Sul, em que fomos extremamente bem atendidos pelo gerente do espaço, o simpático e atencioso Walmor Biberh. Vale menção ainda que os pratos que apreciamos no local estavam maravilhosos. Enfim: noite perfeita!

Comentários
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Quem Sou

Sou jornalista especialista em vinhos e em comunicação digital. Sou sommelier Fisar e diretora da Associação Brasileira de Sommeliers do DF. Possuo qualificação Nível 3 (Wine Spirit Education Trust) e o Intermediário do ISG. Também tenho certificado em vinhos franceses (FWS) e vinhos californianos (CWAS).

Categorias

Veja Também

Vinhos premiados no Wine Piri Jazz

Conheça os vinhos premiados por Marcelo Copello no Wine Piri Jazz. Foram avaliados 62 vinhos…

Evento de Harmonização de Vinhos Italianos Tenuta Ulisse

Na última quinta-feira (20), o perfil @vinhosporetienne teve o privilégio de participar de um evento…

Palomina Bar: Novo Wine Bar em Brasília

Brasília, o terceiro maior polo gastronômico do Brasil, ganha um novo wine bar: o Palomina…

Directo del Viñedo Vendimia no Uruguai

Após ser realizado no Brasil e no Chile, o Directo del Viñedo Vendimia chega ao…