Novidades da Salton são apreciadas no Winebar

No último dia 14 de outubro aconteceu mais uma edição do Winebar – um projeto que mescla degustação real de vinhos com debates virtuais pela internet mediado por Daniel Perches ( Vinhos de Corte)  e dirigido por Alexandre Frias (Diário de Baco). Desta vez, os vinhos degustados e avaliados foram três lançamentos da Salton e  todos foram apresentados pelo próprio enólogo-chefe da vinícola Lucindo Copat (assista aqui): o espumante rosé Salton Poética, o branco Salton Paradoxo Gewurztraminer e o tinto Salton Intenso Marselan e Teroldego.

Vinhos da Salton  do Winebar
Vinhos da Salton do Winebar: espumante rosé Salton Poética, branco Salton Paradoxo Gewurztraminer e tinto Salton Intenso Marselan e Teroldego

Sobre os vinhos – O primeiro que degustei foi o espumante Salton Poética Rosé. Sem dúvidas, um espumante que apresenta um excelente custoxbenefício (é vendido em lojas e supermercados por volta de R$32). Ele já encanta pela cor: um salmão bem suave e de boa transparência, proveniente do corte da tinta Pinot Noir (80%) com a branca Chardonnay (20%). A perlage (borbulhas) é fina e intensa. No nariz e na boca mostrou frutas vermelhas e um toque suave de brioche (decorrente do contato com as leveduras após a fermentação, mesmo se tratando de um exemplar produzido pelo método charmat), também apresentou-se muito fresco no paladar e com um final levemente adocicado, apesar de ser um espumante Brut. Resultado: aprovadíssimo  com mérito!

Salton Poética Rosé
Salton Poética Rosé: aprovado com mérito!

O segundo a ser degustado foi o branco Salton Paradoxo Gewurztraminer. Essa uva é muito pouco conhecida no Brasil, mas é muito difundida na Alsácia (França) e na Alemanha. Pra mim foi uma grata surpresa experimentar esse Gewuztraminer brasileiro e verificar que a Salton acertou em cheio em sua produção. Apresentou-se extremamente aromático no nariz – com notas florais (jasmim) e de  frutas ( principalmente lichia e abacaxi), o que se repetiu na boca acrescido de agradáveis toques de especiarias (principalmente pimenta branca). O melhor desse vinho é o preço – é vendido por cerca de R$31 – uma pechincha se tivermos em conta que os mais baratos Gewurztraminers alemães e alsacianos encontrados por aqui giram em torno de R$100 e mesmo alguns do Chile são encontrados por R$70, pois a uva Gewurztraminer é delicada e de pouco rendimento. Super recomendo esse vinho, principalmente, para acompanhar comidas asiáticas, ou feitas à base de especiarias.

Um surpreendente Gewurztraminer nacional e de preço imbatível
Salton Paradoxo – Um surpreendente Gewurztraminer nacional e de preço imbatível

O terceiro e último a ser degustado foi o tinto Salton Intenso das uvas Marselan e Teroldego. A Salton  fez esse vinho das pouco conhecidas Marselan (cruzamento de Cabernet Sauvignon e Grenache) e Teroldego. Fiquei entusiasmada em experimentá-lo, mas confesso que esperava mais desse corte. Achei que o resultado final do vinho ficou devendo em taninos (bastante presentes na Teroldego e que poderiam ter sido mais evidenciados) e sobrando em acidez.  No entanto, elogio a iniciativa da Salton em arriscar-se a produzir esse vinho de uvas tão pouco conhecidas, de forma a expandir cada vez mais as opções do mercado de vinho nacional. Quem quiser conhecer o produto, ele está sendo vendido em lojas e mercados a R$32. Vale depois, postar o comentário aqui. Tenho muito interesse em ouvir outras opiniões sobre esse vinho.

 elogio a iniciativa da Salton em arriscar-se a produzir esse vinho de uvas tão pouco conhecidas
Excelente iniciativa da Salton em arriscar-se a produzir esse vinho de uvas tão pouco conhecidas no mercado nacional (Marselan e Teroldego)

Sobre a Vinícola Salton –  A história da Vinícola Salton teve início em 1910 quando começou a ser construída com o nome “Paulo Salton e Irmãos” em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha, com a cultura de uvas e elaboração de vinhos, espumantes e vermutes. Um século depois, a Salton é reconhecida como uma das principais vinícolas do País. Na extensa lista de conquistas destes mais de 100 anos de história comemora o fato de ser familiar e 100% brasileira. Com a terceira geração à frente da empresa, tanto na Unidade em Bento Gonçalves quanto em São Paulo, já revela em seus quadros a quarta geração Salton. Atualmente a vinícola é liderada por Daniel Salton, neto do fundador da empresa.


Comentários
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Quem Sou

Sou jornalista especialista em vinhos e em comunicação digital. Sou sommelier Fisar e diretora da Associação Brasileira de Sommeliers do DF. Possuo qualificação Nível 3 (Wine Spirit Education Trust) e o Intermediário do ISG. Também tenho certificado em vinhos franceses (FWS) e vinhos californianos (CWAS).

Categorias

Veja Também

Atrações WOW para férias em julho

Se você está planejando suas férias em Portugal neste mês de julho, uma visita ao…

Enólogo da Argento Apresenta Vinhos no Brasil

Nesta semana, o renomado enólogo argentino Juan Pablo Murgia, responsável pelos vinhos da Bodega Argento,…

Linha Carmen Reserva Frida Kahlo

Magdalena Carmen Frida Kahlo Calderón, nascida em 6 de julho de 1907, em Coyoacán, México,…

ORO, as adegas que conquistaram os brasilienses

Ter uma boa adega em um restaurante é indispensável. Não dá para caprichar na cozinha…