Sauvignon Blanc pelo Mundo na Confraria Franciscana

IMG_8578
O restaurante Bierfass recebeu a Confraria Franciscana na tarde do sábado (05.03) para a degustação “Sauvignon Blancs do Mundo”

Sauvignon Blanc pelo mundo” foi o tema da segunda reunião da Confraria Franciscana deste ano. O encontro aconteceu no Restaurante Bierfass, do Lago Sul (em Brasília) no dia 05 de março. A bela visão do Lago Paranoá aliada ao clima quente da tarde e ao maravilhoso ceviche servido no local foram perfeitos para a degustação de vinhos brancos ficar ainda melhor. A anfitriã da reunião foi a nova confreira Ivone Carvalho, que recebeu todo mundo com muita cordialidade e atenção.

IMG_8504
Para acompanhar a degustação de Sauvignon Blanc, nada como o delicioso ceviche do Bierfass

Degustação às Cegas

Ao todo degustamos oficialmente nove vinhos. Foram seis Sauvignon Blancs do Novo Mundo e três, do Velho Mundo, todos às cegas. Confesso que não foi fácil descobrir a origem de alguns e que tivemos surpresas interessantes. Mas, como em toda degustação sem ver os rótulos, foi um momento de aprendizagem e oportunidade para aguçar os sentidos.

IMG_8582
Oficialmente foram degustados nove vinhos, todos às cegas. Sendo seis do Novo Mundo e três, do Velho Mundo.

Detalhes dos Vinhos Degustados

Sauvignon Blanc da África do Sul 2012 (House of Mandela) – Vinho de clima mais quente (uvas de Western Cape), porém fresco e delicado, com acidez média e toques levemente herbáceos e cítricos. Produzido pela vinícola de propriedade da filha e da neta de Nelson Mandela. Bom custo x benefício. Preço médio R$70,00.

Sauvignon Blanc do Chile Gran Reserva 2014 (Santa Emma) – Proveniente do Valle do Leyda, a apenas 14km do Oceano Pacífico, este vinho é intenso no nariz com muitas notas herbáceas, tomate e pimentão, grama cortada, porém na boca, tem acidez média e um dulçor típico de vinhos da América do Sul. Preço médio R$69,00. Não foi difícil ser reconhecido no teste cego.

Sauvignon Blanc do Brasil 2015 (Quinta da Neve) – Este veio da fria São Joaquim (Santa Catarina). Possui coloração bem clarinha (palha) e brilhante. No nariz, apresentou muitas notas de maracujá, herbáceo e toques suaves florais. Bem leve e fresco, mas com boa persistência. Uma leve nota de defumado também me chamou a atenção nesse vinho. Vinho bem interessante e de bom preço. R$55.

Pouilly Fumé Pascal Jolivet 2010 – Proveniente do Vale do Loire (França) esse é do tipo realmente im-pres-sio-nan-te. Às cegas, foi considerado “Velho Mundo” por todos. Segue a linha não intervencionista de seu produtor de fazer o vinho da forma mais natural possível. É de uma elegância ímpar e tem um peso interessante na boca – creio que decorrente do contato com as borras após a fermentação. A mineralidade é sutil, mas o suficiente para ocultar o herbáceo típico da Sauvignon Blanc, que aparece apenas em forma de um maracujá mais amadurecido. Preço médio R$200.

IMG_8523

Sauvignon Blanc da Nova Zelândia (Stoneburn) 2014 – De Marlborough, esse vinho pode ser considerado um típico Sauvignon Blanc neozelandês, daquele que possui tanta acidez, que podemos classificá-la como crocante ou “crisp”, como dizem os americanos. Notas de aspargos, toques herbáceos e algo de cítrico. Sem dúvidas, um excelente exemplar a um bom preço. R$130.

Pouilly Fumé La Doucette 2010 –  Um dos grandes vinhos do Vale do Loire (França). Na verdade, ele se destaca pela rica mistura entre o mineral, o herbáceo e o cítrico tanto no nariz como em boca. A acidez é média e já o peso em boca e a persistência são consideráveis. R$420.

Fumé Blanc Grgich Hills 2013 (Napa Valley) – Vinho californiano muito elegante. O toque amadeirado pela passagem em barrica é sutil, mas a mineralidade evidente e a alta persistência aliadas ao herbáceo e ao cítrico da uva conferiram a esse vinho características bem semelhantes aos Sauvignons Blancs do Vale do Loire. O que confundiu muita gente durante a degustação às cegas. (US$30,00, esse vinho não é comercializado no Brasil)

Sauvignon Blanc da Nova Zelândia (Saint Clair) – Esse neozelandês é bem clarinho, mas apresenta boa intensidade aromática – Muitas notas de maracujá, ervas  e toranja. Na boca possui acidez marcante e é altamente refrescante. Também mostrou ótima persistência. R$85,00

Sancerre Guy Saget (R$230) –  Infelizmente, esse vinho foi aberto, servido, mas não foi analisado porque estava oxidado. Uma pena, pois perdemos a oportunidade de verificar se o Sancerre é mesmo mais frutado que o mineral Pouilly Fumé.

Abertura e encerramento

IMG_8495 (1)
Abertura dos trabalhos foi feita com o champanhe orgânico Henri Dosnam, produzido em pouquíssima quantidade.

Abrimos os trabalhos degustando um champanhe orgânico (de quantidade bastante limitada) extremamente elegante, leve e fresco produzido (feito com 90% Pinot Noir e 10% Chardonnay)  por Henri Dosnon e vendido por R$329 no site do Sonoma  e fechamos com um intenso,  e mineral Chablis La Roche. Próximo mês trarei mais detalhes sobre as degustações da Confraria Franciscana. Aguardem!

Veja mais fotos do evento. Clique aqui.

Comentários
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Quem Sou

Sou jornalista especialista em vinhos e em comunicação digital. Sou sommelier Fisar e diretora da Associação Brasileira de Sommeliers do DF. Possuo qualificação Nível 3 (Wine Spirit Education Trust) e o Intermediário do ISG. Também tenho certificado em vinhos franceses (FWS) e vinhos californianos (CWAS).

Categorias

Veja Também

Restaurante Aroma ganha novos pratos e ambientes

O Restaurante Aroma celebra seu quinto aniversário no final deste ano, mas já começou a…

João Roquette da Qualimpor é personalidade do Ano no Brasil

O dirigente da Qualimpor, João Roquette, português de origem, foi recentemente laureado com o título…

Participe do Festival de sakês no Noru Sushi

Se você é um entusiasta da culinária japonesa ou está à procura de aventuras culinárias…

Sugestões WM Vinhos para a sua adega. Confira!

E quem não adora ter uma garrafa de vinho à mão em casa, certo? Melhor…